junho 12, 2008

Nem tudo é perfeito



- Quando aportamos em um novo país deparamo-nos com outras realidades. Nos primeiros dias, ficamos a comparar as semelhanças e as diferenças com o nosso país e a fazer inúmeras reflexões. Quando falamos de uma cidade como Lisboa, capital de Portugal e pertencente à União Européia, há inúmeras coisas para escrever. Nesta semana, ouvi os noticiários no rádio e na televisão e surpreendi-me com a situação por vezes delicada que vivem os europeus. A alta do combustivel, dos alimentos, do transporte e a supremacia da economia a reger a vida das pessoas. Ninguém escapa da crise que está abatendo a Europa. Desde esta segunda-feira, os camionistas (como eles chamam os caminhoneiros) estavam paralisados por aqui. O movimento seguiu a greve dos caminhoneiros espanhóis e atingiu em cheio Portugal. Os portugueses assistiram atônitos um pesadelo: postos fechados por falta de combustível; filas quilométricas de carros nos postos que ainda funcionavam; supermercados com quebras de estoque. Imaginem todos os suprimentos que são distribuídos pelos caminhões por todas as cidades do país. E se a maioria deles parasse? Finalmente o governo consegue um acordo com os camionistas nesta quarta-feira e os portugueses respiram mais aliviados. Essa situação também reflete a fragilidade do sistema capitalista. O preço do combustivel está aumentando todos os dias e essa alta reflete-se no alto preço dos alimentos. Por sua vez os alimentos começam a servir como combustível – álcool (o milho teve uma alta de 50%). O que ocorrerá no futuro?

- E na última terça-feira era feriado aqui: dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Em Viana do Castelo (que recebeu este ano as comemorações), o presidente Cavaco Silva deu uma tremenda gafe em seu pronuncionamento. Questionado sobre a greve dos camionistas, Cavaco tentou desviar do assunto, assinalando acima de tudo "a raça", o "Dia da Raça". Essa expressão utilizada pelo presidente está em desuso desde o final do Estado Novo, o regime de Salazar. Com a intenção de dar moral ao povo, enaltecendo a raça, meteu os pés pelas mãos. Não são somente portugueses que constroem o país.

- Em uma semana, o país oscila entre a apreensão com a greve dos camionistas, a crítica em face ao pronunciamento do presidente e a euforia dos portugueses com os bons resultados da seleção no campeonato europeu (Euro 2008). Um show do treinador, o nosso Felipão (Felipe Scolari) que sairá da seleção, provavelmente, por cima da carne seca.

A propósito Aqui fala-se camião quando refere-se ao caminhão.
Um goleiro é um guarda-redes (!).
Um ônibus é um autocarro.
E quase todos os portugueses dizem "pá" antes de iniciarem as frases. “bah”...

Sem comentários: