fevereiro 03, 2009

Da sobrevivência


Tenho observado que falar sobre a minha experiência pessoal e relatar as minhas observações do ponto de vista (pretensamente) etnográfico, pode ser muito mais interessante ao público-leitor.

Também percebo que escrever crônicas literárias pode ser bem criativo e inspirador.
As minhas tentativas em aprimorar a minha escrita, portanto, podem surtir algum efeito, mesmo que este inicie apenas por uma escrita mais pessoal (quase terapêutica).

Tenho observado a realidade portuguesa, há 8 meses.
Assumo que eu fui mais espectadora do que qualquer outra coisa.
Pois bem, não deixo de ser uma sobrevivente.

Portanto, assumirei este blog como um diário de uma sobrevivente da crise.

Não é apenas a crise política e econômica que me abate, é a crise de quem está chegando aos 30 anos e tem reavaliado seu passado, seu presente e suas estratégias futuras de vida.
Esta crise aflige multidões de jovens adultos e enche consultórios de psicologia e psiquiatria.
Obrigada pela sua atenção em ler este post.
Foto postada: Quinta da Regaleira em Sintra

2 comentários:

Luciana F. disse...

bah, amiga, põe o cinto de segurança, pois crise pré-30 é de foder a cabeça da criatura...eu fiz um bungee-jump existencial e sobrevivi...boa sorte!!! bjos!

Larissa disse...

Obrigada pela solidariedade, rsrs.