maio 16, 2010

É hora de partir

Há momentos que sinto-me mais desperta para o mundo. Como se pudesse ouvir aquilo que apenas os cegos escutam.
Não ignoro aqueles que falam... Ouço-os como se estivesse interessada, mas os meus pensamentos estão muito longe.
Vivo um tempo impreciso, como todos, aliás. A consciência da efemeridade causa-me uma liberdade mental incrível, entretanto, pode paralisar-me. É o tempo psicológico que não acompanha o tempo cronológico.
Os segundos são da respiração, os minutos são de meditação, a hora é de paciência. Comunico-me comigo mesma para ouvir o batimento do meu coração e sentir apenas... Nenhuma ilusão é capaz de tirar-me do meu eixo. Se estiver desperta para o que realmente me faz bem e respeitar-me, aceitar-me simplesmente como uma sobrevivente.
:..:
Sinto vontade de viajar, conhecer novas culturas, sentir novos aromas, tocar novas texturas, libertar-me do cotidiano, ouvir outro idioma, beber, rir, cantar, andar pela rua sem destino... perceber outros contextos e rever-me (como sempre) a partir disto.
Logo estarei embarcando...

Confiram aqui alguma escrita de viagem no final de maio.
Norte de Itália, Madrid e Paris..

2 comentários:

maybe disse...

I'm appreciate your writing skill.Please keep on working hard.^^

A.Conti disse...

Bonito texto!